3 ferrovias operando em MT até 2022

CUIABÁ – Dentro dos próximos três anos (até 2022), três ferrovias vão estar cortando o solo mato-grossense, avanços fundamentais para eliminar um dos principais gargalos à expansão agrícola do Centro-Oeste. Braço forte do agronegócio brasileiro, o Estado fica muito longe dos portos e não tem boas estradas para escoar a produção.

Desde 2003, a concessionária Rumo ALL opera sua malha no sul de MT. Do porto de Santos (SP), os trilhos entram em Alto Araguaia e avançam até o terminal intermodal de Rondonópolis.

Partindo de Miritituba (PA), a Ferrogrão trará os trilhos até Sinop, com 1,1 mil km, com terminais de cargas de embarque e desembarque não só em Sinop, mas também em Matupá. O projeto começa a andar. Passou por consulta pública. Está em fase de concessão e o edital será lançado neste ano.

Na semana passada, a Rumo venceu o leilão do trecho de 1,5 mil km da Ferrovia Norte-Sul, de Porto Nacional (TO) a Estrela d’Oeste (SP). Na segunda etapa, entra o trecho de 383 km entre o município goiano de Campinorte a Água Boa, no Araguaia. E, depois, essa ferrovia chamada de Fico deve avançar para Lucas do Rio Verde.