Acabou o espaço no Cemitério Municipal de Canarana

CANARANA – Um problema que se arrasta há mais de uma década e que chegou ao seu limite. De difícil solução, não há mais como postergar. Acabaram definitivamente as vagas para fazer enterros em covas no Cemitério Municipal de Canarana.

Já a um bom tempo se falava que o espaço, que ocupa 10.000 metros quadrados, estava chegando ao seu limite. O problema que hoje é extremamente difícil conseguir as licenças para um novo cemitério, além de que ninguém quer vender uma área para tal fim.

Com as dificuldades, o problema vem se arrastando desde a primeira administração do ex-prefeito Walter Faria. As funerárias iam dando um jeito, tentando enterrar integrantes da mesma família na mesma cova e, não raro, encontravam ossadas ao cavar em locais em que se acreditava estarem vagos por não terem túmulo.

Várias ideias e projetos foram colocados sobre a mesa nesses últimos anos, mas esbarravam em falta de licenças ou na revolta de vizinhos que não queriam um cemitério próximo de suas casas ou propriedades, entre tantos outros problemas.

Agora não tem como mais esperar. Em reunião na tarde de quarta-feira, 01, na Câmara Municipal, entre representantes das funerárias e vereadores, foi levantada a ideia para a Prefeitura construir gavetas no atual cemitério. A outra seria fazer os enterros nos cemitérios dos distritos, como o Garapú, a 20 km, até solucionar a questão.

Durante a reunião foi ligado para representantes do executivo, que levarão a questão imediatamente ao prefeito Fábio Faria. A sugestão dada, apesar do pouco tempo, é de se fazer uma audiência para ouvir a população, pois, com certeza, é um assunto que divide opiniões.

Se for aprovado pela comunidade, a solução mais rápida é a construção de gavetas, mudando o muro e avançando o cemitério para a calçada. Na sequência, ir exumando os corpos e construindo outras fileiras de gavetas no espaço do cemitério. Isso daria mais espaço porque podem ser construídas várias gavetas uma sobre as outras. Esta é a sugestão das funerárias.

Neste caso, além de ser um projeto simples e não tão caro, pode ser implementado no atual cemitério e de forma rápida, como requer a situação atual, não sendo necessário vencer imensas burocracias que existem para novos cemitérios.