Dois prefeitos interinos de Ribeirão e Bom Jesus do Araguaia se mantêm no cargo

Luzia Brandão e Antônio vencem em Ribeirão e Mureré e Mansão em Bom Jesus do Araguaia

RIBEIRÃO CASCALHEIRA – Dois prefeitos foram escolhidos em eleições suplementares no interior de Mato Grosso, neste domingo (7). Os novos chefes do Executivo municipal foram eleitos nos municípios de Bom Jesus do Araguaia e Ribeirão Cascalheira. Os dois escolhidos chefiavam interinamente as prefeituras de suas cidades.

As novas disputas eleitorais foram realizadas após ex-gestores dos municípios terem os mandatos cassados por irregularidades.

Em Ribeirão Cascalheira, Luzia Brandão (SD), que ocupava interinamente a prefeitura do Município, foi escolhida pela maioria dos eleitores. Ela já chefiava o Executivo municipal por ser a presidente da Câmara da cidade no período em que o ex-prefeito foi cassado. O vice dela é o advogado Antônio de Moraes Pinto Júnior (PP). Juntos, formaram a coligação “Unidos Pelo Progresso de Ribeirão Cascalheira”.

Luzia e o vice foram eleitos com 53,36% dos votos válidos. Ao todo, receberam 2.274 votos. No município, havia 6.631 eleitores habilitados a votar, conforme o Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Foram cinco locais de votação.

A agora ex-vereadora de Ribeirão Cascalheira derrotou nas urnas a coligação “Rumo Novo com a Força do Povo”, que era liderada pelo candidato Wiser Barbosa Moura (MDB) e pelo vice dele, Nego Xinai (PSB). Wiser havia sido derrotado nas urnas em 2016, quando disputou com o prefeito cassado Reynaldo Fonseca Diniz (PR).

No município de Bom Jesus do Araguaia, a disputa eleitoral foi vencida por Rone do Mureré (DEM) e seu vice, Mansão (PSB). Eles formaram a coligação “Uma Nova História”. Rone também era prefeito interino na cidade, desde a cassação do ex-chefe do Executivo municipal.

Eles derrotaram a coligação “Deus no Comando, Trabalho e Amor Por Bom Jesus”, cujo candidato a prefeito era Silvio Dantas (PDT), ao lado do vice, Pastor Leandro (PSDB).

A chapa do democrata foi eleita com 1.654 votos, que representaram 57,05% do total válido das eleições. Conforme o TRE, em Bom Jesus do Araguaia havia 4.668 eleitores aptos a votar, em quatro locais de votação.

De acordo com o TRE, os eleitos neste domingo deverão ser diplomados até 23 de abril e permanecer no cargo até o fim de 2020.

Ex-prefeitos cassados

Em Ribeirão Cascalheira, o ex-prefeito Reynaldo Fonseca Diniz e o vice dele, Gleison Oliveira, ambos do PR, foram cassados por irregularidades nas eleições de 2016. Conforme as investigações, eles cometeram abuso de poder político e econômico na disputa eleitoral. Eles também negaram os crimes, porém foram cassados.

Em Bom Jesus do Araguaia, o ex-prefeito Joel Ferreira (PSDB) e o vice Edmárcio Moreira (PRP) foram cassados pelos crimes de abuso de poder econômico e compra de votos nas eleições de 2016. Conforme investigações que constam nos autos da ação que culminou na cassação deles, os ex-gestores utilizaram maquinários da prefeitura para construção e reformas de açudes e represas em quase 100 propriedades rurais particulares. Apesar de negarem os crimes, eles perderam o mandato.

Eleições suplementares em MT

Após as disputas eleitorais deste domingo, Mato Grosso soma sete eleições suplementares desde a posse dos prefeitos dos 141 municípios, em 1º de janeiro de 2017.

Em razão de gestores com mandatos cassados, o Tribunal Regional Eleitoral já havia realizado cinco eleições suplementares no Estado, sendo elas nos municípios de Conquista D’ Oeste, Alto Taquari, Mirassol D’ Oeste, Primavera do Leste e Planalto da Serra.