Em assembleia, bancários aceitam proposta e encerram greve em MT

Categoria decidiu encerra greve durante assembleia em Cuiabá Foto: Divulgação/Seeb-MT
Em assembleia geral realizada nesta quinta-feira (6), os bancários de Mato Grosso encerram a greve da categoria que durou pouco mais de um mês. Os profissionais aceitaram a proposta de reajuste salarial de 8% e abono de R$ 3,5 mil ainda este ano. Com a decisão, as mais de 270 agências fechadas em todo o estado, por causa da paralisação, devem voltar a funcionar na sexta-feira (7).

O acordo com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) prevê o aumento salarial, aumento no auxílio creche de 10% e aumento de 15% no vale alimentação para este ano. Já para 2017, o órgão se comprometeu em repor integralmente a inflação e acrescentar 1% de aumento real nos salários.

Para a categoria, o avanço maior da paralisação foi em relação a defesa do emprego. Neste quesito, segundo o Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (Seeb-MT), a Fenaban garantiu a instalação de um Centro de Realocação e Requalificação Profissional nas agências. O projeto deve realocar funcionários em novas funções para evitar demissões.

A categoria reivindicava a reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial – no valor do salário-mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho), PLR de três salários e mais R$ 8.317,90.

 

Bancários fazem greve em MT por reajuste salarial e melhores condições (Foto: Reprodução/TVCA)
Bancários fazem greve em MT por reajuste salarial e melhores condições (Foto: Reprodução/TVCA)

Além do reajuste salarial e reposição da inflação, a categoria pedia vale-alimentação, refeição, 13ª cesta básica e auxílio-creche/babá no valor de R$ 880 ao mês para cada auxílio (salário-mínimo nacional), além de melhores condições de trabalho e o fim das metas abusivas e do assédio moral.

De acordo com o Seeb-MT, no estado, durante a greve mais de 270 agências em 100 cidades fecharam as portas.

G1/MT