Encerramento do Dinetec 2019 tem abertura simbólica da colheita de soja

CANARANA – O último dia da quinta edição do Dinetec foi fechado com chave de ouro… ou melhor, de soja! Afinal, com a colheita do grão ganhando ritmo todas as regiões de Mato Grosso, a principal feira do Vale do Araguaia não poderia terminar de um jeito diferente: um verdadeiro desfile de máquinas de várias marcas, cortando a pequena lavoura cultivada na área central da exposição.

A colheita simbólica representou o início dos trabalhos nos campos da região, que é a terceira que mais planta soja em Mato Grosso, com cerca 1,5 milhão de hectares. Só em Canarana, as lavouras ocupam cerca de 280 mil hectares, segundo o Sindicato Rural do município.

Apesar do clima festivo que marcou o encerramento de mais uma edição de sucesso da feira, quem produz soja na região também está apreensivo com os resultados da safra. Presidente do Sindicato Rural de Canarana, Alex Wisch acredita que a produtividade será inferior à do ano passado. O motivo é a falta de chuva, que fez com que comprometeu o rendimento de muitas áreas e forçou a antecipação da colheita em algumas fazendas. As primeiras áreas colhidas no município produziram cerca de 7% a menos que o que era esperado, afirma.

E com a falta de chuva, a projeção para as áreas mais tardias também não é otimista. Os maiores riscos, segundo Wisch, estão nas regiões com solo mais arenoso, onde os reflexos negativos da estiagem prolongada são ainda maiores.