Homenagem a Celso Puntel

CANARANA – O sonho de Norberto Schwantes começou a realizar-se quando nos anos 1.970 os primeiros colonizadores da terra fértil, chamada então Canarana, chegaram do Rio Grande do Sul. Ali começava também o sonho de muitas famílias, entre elas a Família Puntel.
Pedreiro de profissão, Celso Puntel, sua esposa Selmira e a bebê Débora, foram a sétima família a chegar em Canarana. Em 1981 nasceu em Água Boa, sua segunda filha, Mayllara. Ambas as filhas e a ex esposa, hoje moram nos EUA.
Enquanto o Celso cuidava dos sonhos daqueles pioneiros, construindo suas casas, Selmira cuidava da vida dos que ali moravam. Ela foi uma pessoa muito importante para Canarana. Enfermeira, mesmo diante da situação precária da época, conseguia minimizar a dor oferecendo seus cuidados e contribuindo literalmente para o crescimento da cidade fazendo dezenas de partos. Que permaneça viva a dedicação de Selmira em cada vida que ela fez nascer.
Depois de 47 anos, andando pelas ruas desta linda cidade que ele escolheu para ser sua morada, é possível ver as diversas obras que Celso Puntel deixou. Construções que foram erguidas não apenas com massa e tijolos. Ali está presente a força de suas mãos, seu suor e o seu coração. Cada tijolo foi sustentado com o cimento do amor, que mantém fortalecido até hoje estas estruturas. Ele amava construir sonhos e assim fez a vida toda, até quando não pode mais trabalhar.
Hoje, Celso vive na sua “casinha de boneca” (quem conhece sabe do que estou falando), também construída por ele com o mesmo amor que fez tantas outras. Com habilidades que o diferenciava por seu comprometimento com cada obra que fazia, fez da sua profissão, sua paixão. Imprimiu sua arte com amor e excelência. Que estas estruturas mantenham fortalecidas a sua dedicação por Canarana! Foi aqui que ele alicerçou também as mais belas amizades. Amigos que estão com ele em todos os momentos.
Mas é chegada a hora de se despedir desta bela cidade e dos verdadeiros amigos. Despedida física, porque não existe oceano que distancie eternos amigos. Celso diz “até logo” por uma ótima razão. Ele está indo morar nos EUA para cuidar de sua saúde e ficar perto das filhas. Neste momento nada melhor que o colo das filhas. Chegou o dia em que os papéis se invertem.
Certamente o Celso gostaria de abraçar todos antes de partir, mas como isto não é possível, ele levará Canarana no seu coração, recordando sempre de cada um que fez parte da sua história de vida.
Existe o risco da injustiça ao citar nomes, mas alguns merecem um agradecimento especial. Nos perdoem os que não foram citados, nem por isto tem menos importância. Muito possivelmente fomos traídos pela nossa memória, pois é de longa data que os amigos estão presentes. Eu diria, “são” presentes. Presentes de Deus.
Entretanto, nestes últimos meses alguns estão constantemente muito perto do Celso. Nossos mais profundos agradecimentos as famílias que não mediram esforços para dar suporte ao Celso. As famílias Glienke, Biguelini, Sturmer e Cancian. Aos queridos amigos Raimundo, Manoel, Nayra, Ivair (táxi), Geise, Kinka, Maria, Heila (farmácia), Geraldo (laboratório), Pr. Darcy (Igreja Adventista 7º Dia) e tantos outros que mesmo não tendo sido citados, saibam, somos profundamente agradecidos a cada um. Dr. Renato, obrigada por conduzir o caso do Celso com competência e com carinho.
Agradecemos acima de tudo a Deus, por todas as coisas que nos permite viver! Admiração e respeito eterno. “Em todo o tempo ama o amigo, e na angústia se faz um irmão” – Provérbios 17:17.
Débora & Mayllara Puntel.