Indígena que ficou mais de 7h soterrada faz 8 meses sem sequela e ainda abrigada

CANARANA – A bebê indígena da etnia Trumai, Analu Paluni Kamayura Trumai, enterrada viva pela bisavó, em Canarana, e resgatada por policiais depois de sete horas debaixo da terra, chegou no dia 05 de fevereiro aos 8 meses de vida, se desenvolve sem nenhuma sequela, conforme o esperado para a idade, e tem recebido a visita da mãe e do pai, ambos menores de idade.

“A criança está dentro dos padrões normais”, afirma a coordenadora em Canarana do Centro de Referência e Assistência Social (Cras) e psicóloga, Josiane Porsh.

O bebê está em um abrigo na cidade, a Casa da Criança. É acompanhada por assistentes sociais e psicólogos do CRAS e recebe também tratamento pediátrico em Brasília com o apoio da Fundação Nacional de índio (Funai).

Sobre as visitas, a coordenadora afirma que não são proibidas e sim autorizadas judicialmente. Estudo psicossocial está sendo feito para verificar com quem a criança ficará e o Ministério Público ainda não deu parecer. “O juiz acompanha tudo, para ver como é a relação dela com familiares e depois decidir a guarda”, pontuou. Caso seja disponibilizada à adoção, é provável que os pais tenham prioridade, caso não a queiram irá para a fila geral.

A menina foi enterrada viva no dia 05 de junho de 2018, instantes após o nascimento, pela bisavó Kutasmin Kamayura, no terreiro da casa deles, no bairro Nova Canarana. A avó Tapoalu Kamyurá também responde pelo crime. Após sete horas, ela foi resgatada por policiais, chamados para atender à ocorrência suspeita. Eles ouviram choro e puxaram a menina debaixo da terra. Em seguida, ela ficou internada e chegou a correr risco de morte. Depois, reagiu e obteve alta, para surpresa de quem acompanhava o passo a passo da sobrevivente.

Kutsamin foi presa em flagrante por tentativa de homicídio. Atualmente, usa tornozeleira eletrônica e cumpre medidas cautelares em Canarana. Ela e a avó Topoalu respondem a dois processos na Justiça – um cível e outro criminal. Há informações de que tenham feito isso porque a etnia Trumai rejeita filhos de mães solteiras. O caso teve grande repercussão internacional.