Lideranças querem manutenção do traçado da Ferrovia de Integração passando por Água Boa

ÁGUA BOA – A população do Vale Araguaia e também de outras regiões de Mato Grosso, quer a manutenção do traçado original da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO).  Foi o que ficou ratificado em audiência pública realizada na quinta-feira (22), no auditório da Universidade Aberta do Brasil, em Água Boa.

Políticos, empresários, produtores rurais e outros segmentos sociais presentes fizeram um abaixo-assinado, que será enviado ao Ministério dos Transportes, Senado Federal e Tribunal de Contas da União (TCU), solicitando a manutenção do traçado original da ferrovia e a agilização no processo de liberação das obras.

O autor do evento, deputado estadual Ondanir Bortolini – Nininho (PSD), e o senador Wellington Fagundes (PR), farão juntos a entrega da ata da audiência pública e do abaixo-assinado também aos demais membros das bancadas estadual e federal de Mato Grosso.

“Vamos lutar em Brasília como já estamos fazendo para que esse traçado original seja mantido e que possamos ter as obras iniciadas em 2019 e o trem chegando aqui (em Água Boa) no menor prazo de tempo possível. Que tenhamos a FICO construída e gerando desenvolvimento”, disse Fagundes. “Queremos o traçado original. É uma reivindicação de todos dessa região: que se mantenha o traçado original”, reiterou Nininho.

O consultor econômico Luiz Antônio Pagot explicou que o traçado da ferrovia prevê um trecho de 383 quilômetros de Campinorte (GO) até Água Boa (MT). “Não há como mudar o traçado. Já foram feitos os estudos técnicos, ambientais e de viabilidade econômica desse trecho”, explicou.

O debate, inicialmente, foi provocado a partir de uma sugestão de empresários (que não tiveram o nome divulgado), para uma mudança de percurso passando por Querência, levando a ferrovia a adentrar áreas próximas a terras indígenas e regiões alagadas, o que, segundo Pagot, “além de aumentar o trajeto e os custos da obra, descartaria R$ 20 milhões que já foram gastos nos projetos do traçado original”.

Para o presidente do Fórum Pró-Ferrovia, Francisco Vuolo Filho, “o traçado original de ferrovia está chancelado, uma vez que todos os projetos (básico, estrutural, de questões ambientais, de viabilidade econômica, entre outros) estão aprovados. Desde 2010 estamos constituindo esses projetos e é importante que se mantenha porque foi muito bem pensado, principalmente, respeitando os recursos de áreas indígenas e ambientais”.

O representante da Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT), Ronaldo Magalhães, informou que caso o traçado seja mantido, há expectativa de início das obras ainda em 2019. O prazo de conclusão é de até 5 anos a partir da data de início. O investimento é da ordem de R$ 2,6 bilhões.

Os recursos para construir o trecho entre Campinorte e Água Boa virá da extensão de concessões de ferrovias em outras regiões do Brasil, onde que as concessionárias pagam ao governo para ter o direito de operar nelas. O governo do presidente Michel Temer já definiu que parte desse recurso virá para a construção da FICO o que, se mantido, garante o início das obras para 2019. Porém, a possiblidade de mudança do traçado e ações políticas de outros estados podem levar o recurso para outros lugares.

De Água Boa a FICO passa por Canarana e segue até Lucas do Rio Verde, adentra em Rondónia por Vilhena e seu projeto é chegar ao Oceano Pacífico pelo Peru. Porém, o projeto está pronto e o recurso alocado somente entre Campinorte e Água Boa. Conforme foto, o traçado dela passa a 30 km de Água Boa, próxima do presídio. Da cidade de Canarana ela passará a cerca de 7 km.

Vale lembrar que a FICO já vem sendo discutida há pelo menos 08 anos, com várias audiências públicas realizadas. Porém, falhas em projetos, troca de ministros, denúncias de corrupção e falta de recursos, extrapolaram todas as promessas, onde a mais pessimistas era que o trem apitaria na região em 2014. Já estamos em 2018.

De Canarana estiveram presentes produtores rurais, o vice-presidente Leste da Aprosoja – Oldair Sangaletti, o prefeito Fábio Faria, o presidente da Câmara Municipal – vereador Ederson Porsch (Soni) e o vereador Rafael Govari.