Mato Grosso registra 25% dos focos de queimadas no país

CUIABÁ – Mato Grosso é o estado com maior número de queimadas no país. Até o dia 12, do total de 20.443 focos de calor, 5.042 ocorriam no território mato-grossense, conforme o Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (Inpe), ou seja, um quarto dos focos eram no Estado.

O número é menor (-5%) do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando ocorreram 5.317 queimadas. Contudo, supera estados como o Tocantins, com 2.169 focos, Roraima com 1.930 e o Maranhão com 1613 focos. No estado, os municípios com maior número de incêndios são Feliz Natal (224), Tangará da Serra (220), Nova Maringá (219), Tabaporã (209), Nova Ubiratã e Gaúcha do Norte, ambos com 200 pontos de queimadas.

Para mudar esse quadro, começou no domingo, 15, e segue até 15 de outubro próximo, o período proibitivo de queima no Estado. Portanto, fica vedado o uso de fogo para limpeza ou manejo nas propriedades rurais pelos próximos 90 dias.

Assim, como nos anos anteriores, as ações de combate ao fogo no Estado priorizam os possíveis incêndios nas 46 unidades de conservação estaduais, como os que ocorreram em anos anteriores. Em setembro do ano passado, por exemplo, o Parque Estadual Serra Ricardo Franco, em Vila Bela da Santíssima Trindade (533 quilômetros, ao oeste de Cuiabá) foi atingido pelo fogo, que consumiu cerca de 3,8% da reserva, uma área estimada em mais de 5.800 hectares.

Um mês antes, outra área destruída foi o Parque Estadual do Araguaia, localizado, em Novo Santo Antônio (1.060 quilômetros da capital). Por lá, 12.000 hectares foram atingidos pelas chamas. Outro incêndio atingiu o entorno do Parque Estadual Gruta Lagoa Azul, que fica no Distrito de Bom Jardim, em Nobres (150 quilômetros, ao médio-norte de Cuiabá).

Durante o período proibitivo, utilizar fogo para limpeza e manejo de áreas rurais é crime passível de seis meses a quatro anos de prisão, com autuações. Nas áreas urbanas, o uso do fogo para limpeza do quintal é crime o ano inteiro. As denúncias podem ser feitas na ouvidoria do Batalhão Ambiental (BEA): 0800 647 7363, no 193 do Corpo de Bombeiros ou diretamente nas Secretarias Municipais de Meio Ambiente.