MT anuncia plano de concessões de rodovias com investimentos de R$ 1,5 bi

Estado estima receber R$ 74,5 milhões em outorga já em 2018

CUIABÁ – O Governo de Mato Grosso lançou, na terça-feira (03.10), em Cuiabá, a primeira fase do Pró-Estradas Concessões: Programa de Parcerias com o Setor Privado para Investimentos na Logística de Mato Grosso. A expectativa é atrair investimentos privados na ordem de R$ 1,5 bilhão com a concessão de trechos de rodovias estaduais, com grande potencial de escoamento da produção agrícola e de cabeças de gado.

O anúncio foi feito pelo governador Pedro Taques e pelo secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo Duarte. Só nesta 1ª fase, serão concedidos à iniciativa privada 525 quilômetros de rodovias, divididos em três trechos (Alta Floresta, Alto Araguaia e Tangará da Serra). Estima-se que o programa irá gerar mais de 3,5 mil empregos, impulsionando o desenvolvimento regional.

“Estamos lançando um grande programa de concessões rodoviárias, que será o quarto eixo do Pró-Estradas, o maior programa rodoviário da história. Agora, além de nos dedicarmos à pavimentação, à reconstrução e à manutenção contínua das estradas, trabalharemos também o eixo de concessão, entrando definitivamente em um novo nível de desenvolvimento da nossa infraestrutura. Faremos com que o nosso Estado se desenvolva e o cidadão transite com qualidade”, declarou o governador Pedro Taques.

Conforme o secretário, o Estado planeja fazer contratos de 30 anos, e que tenham constantes investimentos na reabilitação funcional da rodovia, na recuperação permanente do pavimento, em melhoramentos e também na manutenção frequente. Ainda dentro do programa, serão destinados R$ 1,6 bilhão para conservação da malha rodoviária.

“Somente após a realização dos investimentos em melhorias das rodovias, as empresas poderão montar praças de cobrança de pedágio. Não autorizaremos pedágio em estrada com buraco. Seremos muito exigentes para evitar situações estranhas como as que aconteceram com as experiências de pedágios federais”, frisa o secretário.