PF investiga fraude em licitação de construção de escolas indígenas

Fonte: Google Imagem Ilustrativa

NOVA XAVANTINA/CAMPINÁPOLIS – Um grupo criminoso que fraudou procedimentos licitatórios de construção de escolas em comunidades indígenas, em Mato Grosso, é alvo de uma operação nesta quinta-feira (30) da Polícia Federal em quatro cidades mato-grossenses e em Goiânia (GO). A operação, chamada de ‘O grande truque’, é decorrente de um inquérito policial de 2016.

Segundo a Polícia Federal, o grupo criminoso responsável por fraudar procedimentos licitatórios decorrentes da execução de convênio firmado entre a Prefeitura de Campinápolis, e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que faria a construção de escolas em comunidades indígenas. Devem ser cumpridos cinco mandados de condução coercitiva e quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de Várzea Grande (MT), Barra do Garças (MT), Nova Xavantina (MT), Campinápolis (MT) e Goiânia (GO). Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Barra do Garças (MT).

A investigação apurou que os serviços decorrentes de licitação foram inicialmente objeto de concorrência pública, cujo edital fora publicado na imprensa oficial. Ocorre que, dias depois, a Prefeitura de Campinápolis cancelou a licitação, sob o argumento da suposta ausência de interessados. A investigação apontou que 13 dias após o cancelamento da concorrência, a Prefeitura de Campinápolis publicou outro edital, com os mesmos critérios dos projetos, serviços e obras, inclusive com os seus respectivos cronogramas físico-financeiros, no igual valor de R$ 3.967.233,16.

Dois dias após a assinatura do contrato, a empresa investigada antes mesmo da emissão de ordem de serviço, solicitou à prefeitura o realinhamento de preços, mesmo após ter declarado ciente das condições e prazo das obras, assumindo o compromisso de bem desempenhar as atividades, apresentando inclusive uma planilha de estimativa de custos e um cronograma financeiro.

O prefeito da época, diante do requerimento de aditivo contratual da empresa, solicitou ao FNDE o respectivo aditivo sob o argumento de que a concorrência fora cancelada uma vez que as empresas interessadas no certame, ao adquirirem as planilhas, não se interessaram em participar do processo, já que os valores aprovados seriam muito baixo para a realização da obra. O aditivo contratual foi no valor de 37,14% de acréscimo, cujo índice é ilegal, eis que o limite imposto pela Lei de Licitações é de 25%.