Polícia faz reconstituição da morte de Renan Luna

NOVA XAVANTINA Foi realizada no dia 21, quarta-feira, a reconstituição da morte de Renan Luna ocorrido no dia 9 de abril do ano passado, na saída de uma festa na Sede Campestre em Nova Xavantina. Os trabalhos foram coordenados por Cristina Hara da Politec de Barra do Garças. O laudo técnico de todo o levantamento efetuado deverá ficar pronto em até 60 dias.

Ao menos 20 pessoas estiveram presentes no clube de festas e deram sua versão sobre os fatos ocorridos há um ano e 7 meses. Vários técnicos da Politec acompanharam toda a reconstituição, bem como agentes da Polícia Civil e da Polícia Militar. O delegado regional de Água Boa, Dr. Welber Batista Franco se fez presente acompanhando os trabalhos da Politec. Policiais militares e bombeiros que atenderam a ocorrência naquela madrugada estiveram presentes repassando informações sobre o homicídio. Algumas testemunhas como os seguranças também puderam esclarecer detalhes sobre o ocorrido que somente em uma simulação podem apresentar mais luz aos investigadores.

Para cada depoimento, os técnicos da Politec indagavam o que as testemunhas lembravam, anotavam dados e tiravam fotografias para posterior compilação e emissão do laudo técnico.

Uma pessoa foi convidada para a simulação, representando o oficial da PM que esteve no local no dia da morte e efetuou disparos de arma de fogo.

Outra pessoa representou a vítima Renan Luna. Mauri Júnior Machado, uma das principais testemunhas e amigo de Renan Luna, também se fez presente e trouxe importantes informações sobre a tragédia. Ele repetiu a informação de que uma cápsula vazia de projétil foi ejetada por uma pistola e caiu sobre a vítima. Para Mauri, isso indicaria que o disparo foi feito a curta distância. Mauri Júnior se disse emocionado em rever o local da tragédia e relembrar os últimos instantes de vida do seu amigo Renan. “Mesmo assim, preciso colaborar para que a justiça aponte o culpado”.

Sabe-se que um exame de balística confirma que o projétil disparado contra Renan Luna saiu de uma pistola .40, que não foi a arma apresentada pelo oficial da PM, mas se trata de uma munição pertencente ao Estado.

Toda a simulação foi acompanhada pelo pai de Renan, o empresário Vando Luna e família de Água Boa. Todo o trabalho transcorreu dentro da absoluta normalidade. O clube Campestre está localizado na saída de Nova Xavantina para Água Boa, ao lado da BR-158. Os trabalhos começaram às 17hs e foram noite adentro, até por volta das 22hs.