Prédio em ruínas da antiga Escola 31 de Março não será demolido antes das eleições

CANARANA – Fechada no final de 2016 por risco em sua estrutura, no início de 2017 as aulas da Escola Estadual 31 de Março, a mais antiga de Canarana, foram transferidas para o Parque de Exposições Luiz Cancian. Chuvas começaram a alagar o espaço onde estavam as salas e neste ano a escola foi transferida para um prédio alugado ao lado do Esporte Clube Canarana, onde está até o momento.

Enquanto isso, a instalação das salas móveis no pátio do ginásio Pedro Cancian não foi concluída. A ideia do Governo do Estado é levar as aulas para as salas móveis enquanto a nova escola, uma obra de quase 15 milhões de reais, seja construída. Ela será erguida no mesmo local da antiga escola, hoje em ruínas. E por estar nessa situação, muitos moradores estão cobrando da Prefeitura Municipal a demolição do prédio antigo, que está cheio de mato e tem sido utilizado por usuários de drogas.

Nesses quase dois anos da saída do antigo prédio, a situação piorou. Não que fosse mil maravilhas, mas o antigo prédio ainda era melhor do que o Parque e Exposições onde a chuva invadia as salas, ou mesmo o espaço atual ao lado do Esporte Clube, principalmente por conta do barulho, pois as salas são anexadas uma na outra num espaço só, divididas apenas por paredes e sem teto. Porém, havia o risco do antigo prédio desmoronar, então era melhor não ariscar.

O Governo do Estado, que prometeu as salas móveis provisoriamente, além do novo prédio, uma escola modelo, diz que problemas financeiros e burocráticos estão atrapalhando os cronogramas. Mas garante que vai sair. Prefeito, vereadores e comunidade continuam cobrando.

Em conversa com o prefeito Fábio Faria, vereadores cobraram a derrubada do prédio velho, que fica bem no centro da cidade. Porém, o prefeito Fábio Faria sugeriu, apesar das ruínas e da sujeira, que se deixe o local como está neste período eleitoral, quando os candidatos virão a Canarana pedir apoio. Eles serão levados para ver a situação e cobrados para que, se eleitos, deem prioridade e construam o novo prédio como já está previsto.