Prefeito e vereadores se reúnem com o vice-governador para definir destino da Escola 31 de Março

CANARANA – O prefeito Fábio Faria e vereadores de Canarana, acompanhados do deputado estadual Dr. Eugênio, foram recebidos na tarde de quarta-feira, 13, no Palácio Paiaguás, em Cuiabá, pelo vice-governador Otaviano Pivetta, para tratar da Escola Estadual 31 de Março.

No final de 2016 a escola foi embargada sob o risco de desmoronamento. Ainda no final daquele ano, os alunos foram estudar em escolas municipais que estavam de férias e depois no Parque de Exposições Luiz Cancian, onde ficaram por um ano. Porém, fortes chuvas constantemente alagavam as salas de aulas improvisadas num galpão. No início de 2018 o Governo do Estado locou um prédio próximo do Esporte Clube, onde as aulas acontecem até hoje. Lá não chove dentro, mas a acústica é insuportável porque as salas foram separadas por divisórias e não há forro.

Desde a Caravana da Transformação em 2016, a então gestão do governador Pedro Taques vinha prometendo a reconstrução da escola num projeto modelo de mais de 12 milhões de reais. Enquanto o prédio não era erguido, prometeu deslocar as aulas para salas móveis instaladas no pátio do ginásio Pedro Cancian. A Prefeitura Municipal fez a terraplanagem, parte elétrica e hidráulica, o Governo do Estado instalou as salas, mas não concluiu colocando a cobertura. Assim, os alunos não puderam ir para lá e as salas continuam no mesmo local sem uso.

Em gravíssima crise financeira, o novo governo liderado por Mauro Mendes, cortou praticamente todos os investimentos, deixando o recurso do caixa estadual para custeio da máquina pública, a maior parte em salários. Diante desse cenário, pouca esperança restou nos representantes locais e na comunidade escolar. A única atitude vislumbrada depois de dois anos de promessas e idas e vindas, era realizar um protesto em Cuiabá.

Porém, parece que a nova gestão do Governo do Estado quer colocar um ponto final nessa história e resolver a situação, construindo um prédio mais simples. Para tanto, chamou o prefeito e os vereadores para uma reunião, intermediada pelo Dr. Eugênio. O que se passou nas conversas com Otaviano Pivetta, é a formatação de uma parceria que envolve Governo do Estado, Prefeitura de Canarana e Câmara Municipal, para erguer o mais rápido possível o novo prédio.

Nessa parceria o Governo entrará com R$ 2,5 milhões e a Prefeitura com R$ 500 mil, mais a demolição do prédio em ruínas. A Câmara, por sua vez, pretende devolver em economias até o início do segundo semestre, cerca de R$ 500 mil para ser usado como contrapartida pela Prefeitura. A obra custará cerca de R$ 3 milhões. Sem recursos, foi a solução encontrada para este momento.

Técnicos da Prefeitura e do Governo estão trabalhando em conjunto para adequar o projeto e conseguir a aprovação de todos os órgãos envolvidos o mais rápido possível. O recurso será repassado para a Prefeitura, que fará a licitação, justamente para ganhar tempo. A contrapartida do Município foi aprovada pelos vereadores na sessão ordinária de segunda-feira, 18. Os esforços se concentrarão para erguer as 16 salas de aula até o início do ano letivo de 2020.