Selo Origens Brasil® permite ao consumidor conhecer a história de cada produto da floresta

ALTAMIRA/PA – Os sistemas de certificação convencionais, geralmente não estão adaptados às realidades das populações tradicionais e dos povos indígenas. São elas, através de seus modos de vida e produção, que ajudam a manter o inestimável patrimônio socioambiental que pertence a toda sociedade brasileira. Convencidos desta necessidade, um conjunto de instituições com larga experiência no trabalho com estas populações, reuniu-se em torno da criação da Iniciativa de valorização dos territórios de diversidade, intitulada Origens Brasil®.

O Origens Brasil® é um selo que ajuda a valorizar os produtos, os territórios e as pessoas que neles vivem. Com o selo do Origens Brasil®, qualquer pessoa, com um celular ou computador, pode ter informações e conhecer a história do produto, saber quem produziu, de onde veio, a cultura desses povos e como foi feita a comercialização.

 “O Origens Brasil® quer conectar os moradores das grandes cidades, sobretudo do sudeste do País, com esse grande corredor [Xingu]. É uma plataforma solidária entre as pessoas da cidade e essas populações que moram e que mantêm essa floresta viva”, disse André Villas-Bôas, secretário executivo do ISA (Instituto Socioambiental) e membro do Conselho Gestor do Origens Brasil®.

 “A gente fica feliz que esse produto também conta um pouco da nossa história, também conta um pouco da nossa região”, disse Winti Suya, liderança do povo Kisêdjê que habita o Parque Indígena do Xingu (PIX) no Mato Grosso e que produz o mel que leva o selo do Origens Brasil®.

 

Como funciona o sistema

As instituições coletam, em campo, informações do produtor, da produção e da comercialização, pelo celular ou tablet. Em seguida, envia esses dados pela internet para uma “Plataforma” que armazena essas informações. A Plataforma do Origens Brasil® recebe, analisa e devolve para as comunidades as informações enviadas. Presente no logotipo, a tecnologia do QR Code leva o consumidor com um celular ou tablet a conhecer mais sobre o produto.

“O consumidor, ao pegar um pote de mel como esse, que ele encontre uma etiqueta como essa, que ao escanear ele seja levado para uma viagem para o Xingu. Essa viagem vai começar com pequenas informações, começa com o produto, ele vai conhecer mais sobre o mel, ele vai saber como esse mel é produzido, como as populações se relacionam com esse mel, depois vai aparecer a foto de um dos produtores que colheram esse mel, quantos anos ele tem, em que aldeia ele vive, qual a sua etnia. Depois a gente vai subindo e a gente vai chegar até o território”, explicou Patrícia Cota Gomes.

 

Território

Podem conter o selo do Origens Brasil® desde produtos do extrativismo (óleos vegetais, resinas, sementes, frutos, folhas, exsudatos, raízes); quanto produtos agroextrativista de roças tradicionais (farinha, pimenta, amendoim, mel); e até produtos da cultura (cestaria, grafismos, desenhos estampados em objetos, peças de vestuários, bijuterias).

A iniciativa começou pelo Território de Diversidade Socioambiental do Xingu, nos estados do Mato Grosso e do Pará. As características que levaram o Xingu a ser o primeiro incluído foi o fato de abrigar um conjunto de Áreas Protegidas interligadas, de grande dimensão e com alta diversidade socioambiental. Esse imenso território abriga a Bacia do Xingu, uma das mais importantes bacias hidrográficas do país, tanto pela sua dimensão (51,1 milhões de hectares), quanto pela sua diversidade socioambiental. (Por Rafael Govari – ISA com informações do Imaflora).

Extrativista extrai o látex na região da Terra do Meio, em Altamira-PA