Canarana – MT possui o menor efetivo de policiais civis do Médio Araguaia

Saúde, educação e segurança pública são algumas das principais demandas que o cidadão cobra do Mato Grosso. Em crise financeira, o Governo do Estado diz que não tem recurso para investir, fazendo esforços para conseguir fechar a conta da manutenção da estrutura atual. Porém, algumas ações não demandariam de investimentos, apenas de um melhor direcionamento da atual estrutura.

Levantamento realizado pela reportagem do J. O Pioneiro, encontrou discrepâncias no efetivo da Polícia Judiciária Civil na região do Médio Araguaia. Água Boa, por exemplo, tem a maior população desta região com 25.299 habitantes e um efetivo de 20 investigadores e 10 escrivães. Nova Xavantina tem 21.231 moradores e 15 investigadores e 05 escrivães. Para comparação, Canarana tem 21.311 habitantes, portanto mais do que Nova Xavantina, mas conta com um efetivo de apenas 08 investigadores e 03 escrivães. Na proporcionalidade, só não fica atrás de Campinápolis, que tem uma média de um policial a cada 3.166 moradores, contra um investigador a cada 2.663 habitantes em Canarana.

Conforme informações apuradas junto a representantes públicos do município, há policiais civis e investigadores que querem vir para Canarana sem custo de transferência para o Governo do Estado. O que precisa ser feito é apenas realocar o atual efetivo tornando mais justa a distribuição de profissionais da segurança na região de acordo com o número de habitantes.

Para piorar ainda mais o cenário, dos 08 investigadores lotados na Delegacia de Polícia de Canarana, um atua no cartório central da unidade e quatro ficam na atividade de plantão, restando apenas três policiais para a demanda investigativa. Vale ressaltar que o efetivo precisa constantemente cobrir férias ou afastamento uns dos outros e, com isso, na maioria do tempo somente parte dos policiais está na ativa. Com isso, crimes no campo, como furtos de defensivos e de gado, que tem ocorrido em grande escala em Canarana, acabam sofrendo nas investigações pela falta de efetivo.

Infraestrutura

Além do efetivo, a Depol de Canarana possui um dos piores prédios do Estado, que já foi motivo de diversas cobranças por parte dos representantes públicos junto às autoridades em Cuiabá. A última informação é que recursos de ações judiciais a nível estadual seriam destinadas para a construção do novo prédio. O município já se prontificou em doar o terreno para receber as novas instalações.

Infiltrações e mofos

Nossa reportagem verificou que o prédio está cheio de infiltrações que provocam mofo e estão danificando inquéritos na Depol de Canarana. Os servidores, inclusive, acabam colocando a papelada no sol para secar e, assim, não perder o trabalho investigativo.

Poder público e comunidade

Desde o ano de 2019, a Prefeitura Municipal repassa 120 mil reais por ano para o Conseg (Conselho Municipal de Segurança), que repassa parte dos valores para custear a manutenção das despesas diversas junto às polícias Civil e Militar. Parte do recurso também foi destinado para a instalação de duas câmeras de segurança na cidade. A comunidade também tem feito sua parte. O Sindicato Rural, por exemplo, doou uma antena de rádio para ajudar nos trabalhos da Polícia Militar.