Euca Energy obtém licença ambiental para construção de fábrica de celulose em Alto Araguaia

ALTO ARAGUAIA – Com investimentos estimados em R$ 9,5 bilhões em Mato Grosso e previsão de produzir 2 milhões de toneladas de celulose branqueada de eucalipto por ano, a Euca Energy obteve a Licença Ambiental Prévia que autoriza a instalação da fábrica de celulose no município de Alto Araguaia (415 km de Cuiabá). Após parecer prévio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), a licença foi votada pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) em reunião na quarta-feira (31) na sede da Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso (OAB-MT) em Cuiabá.

A licença foi obtida após uma série de etapas cumpridas pela Euca Energy, entre elas a apresentação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA). Em audiência pública em março passado com a participação de mais de 2 mil pessoas foram apresentados os graus de impactos ambientais do projeto para a região, medidas mitigadoras destinadas a diminuir ou prevenir impactos negativos, medidas compensatórias e os programas ambientais previstos, com o objetivo de obter a Licença Prévia.

O prefeito Gustavo Melo (PSB) esteve na reunião juntamente com o vice-prefeito, Freud Fraga, e o CEO da Euca Energy, o empresário e ex-senador Gilberto Goellner, do Grupo Girassol e diretores da empresa. O gestor reforçou a importância da implantação do empreendimento para o desenvolvimento do município.

“É um dia histórico. Com essa fábrica de celulose o município de Alto Araguaia vai experimentar uma nova matriz econômica. Será fundamental para o município e principalmente para a nossa economia, geração de emprego e renda”, disse Melo.

O gestor acompanhou de perto todas as etapas do processo. Segundo ele, a cidade ansiava por um empreendimento desta envergadura principalmente após a queda da arrecadação por conta da mudança no sistema ferroviário com a extensão da linha até a cidade de Rondonópolis.

Entre os principais benefícios do empreendimento para a região estão o aumento na arrecadação de impostos, o crescimento da renda per capita, a melhoria na qualidade de vida da população e as novas oportunidades de emprego. No pico da obra, o projeto deve gerar mais de 8 mil postos de trabalho. Na fase de operação aproximadamente 4.400 vagas, sendo 1.200 postos na indústria e 3.200 na área florestal.

O CEO da Euca Energy, o empresário Gilberto Goellner afirmou que as peculiaridades de Alto Araguaia fizeram o município ser escolhido para receber o empreendimento. “Escolhemos a cidade de Alta Araguaia porque aqui encontramos o local ideal para a produção e acreditamos muito nessa região”, ponderou.

PRODUÇÃO

A planta da Euca Energy em Alto Araguaia terá capacidade de cogeração de energia de 372 MW, sendo que 201 MW serão utilizados na própria fábrica. O excedente, 171 MW, será comercializado.