Ministério Público de Canarana-MT pretende recorrer em caso de soltura de presos

CANARANA – Frente a soltura de presos realizada em Canarana-MT nesta quarta e quinta-feira (18 e 19/03), seguindo uma recomendação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) pelo risco de contaminação pelo  novo coronavírus (Covid-19), bem como frente a comoção gerada na sociedade, a Promotoria de Justiça de Canarana, órgão vinculado ao Ministério Público, informa que pretende recorrer das decisões.

Em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (20/03), o promotor de Justiça, Dr. Matheus Pavão de Oliveira, explicou que a soltura dos presos “não contou com o apoio nem com a concordância do Ministério Público. Foi uma decisão da justiça, que vai ser respeitada, foi cumprida e acatada. Mas é um dever nosso insurgir contra uma decisão que a gente entende que é maléfica para a cidade”.

O promotor salienta que “quando o Ministério Público entende que há um decisão que é ruim para a cidade, que causa insegurança para a cidade, o caminho natural é fazer o recurso cabível. Ele só não foi feito ainda, porque não houve a intimação oficial à promotoria de justiça do teor da decisão que foi proferida”, afirma. 

Dr. Matheus explicou que consultou os alvarás de soltura expedidos e que entre os nomes, encontram-se elementos de alta periculosidade. “Dentre as pessoas que foram soltas, há sim, integrantes do Comando Vermelho. Integrantes, a meu ver, perigosos. Há sim, traficantes notórios de Canarana que também foram soltos e, principalmente, assaltantes, ao meu ver, profissionais, que também foram soltos”.

No entendimento do Ministério Público as solturas devem ser revistas. “Minha intenção é recorrer de todos os processos, exceto se houver uma comprovação determinando de que o preso precisa realmente ficar em casa, em quarentena, em regime domiciliar”, finalizou o promotor. 

Redação J. O Pioneiro.