No Médio Araguaia rebanho de ovinos ultrapassa 24 mil animais

Foto Arquivo AGR.

CANARANA – Nem só de bovinos é composta a pecuária no Médio Araguaia mato-grossense. A criação de ovinos (ovelhas e carneiros) e caprinos (cabras e cabritos) se desenvolve na região e o que começou numa cultura de subsistência está se transformando em fonte de renda. A regional do Indea (Instituto de Defesa agropecuária do Estado de Mato Grosso) em Água Boa-MT, informa que nos nove municípios do Médio Vale que atende, constam 24.462 ovinos e 1.773 caprinos.

O número, contudo, pode ser muito maior, já que a informação do número de rebanho de uma propriedade ao Indea depende da comunicação de cada produtor, que não é obrigatória. A comunicação só é obrigatória quando for realizado o trânsito dos animais, em que o produtor emite a GTA (Guia de Trânsito Animal).

O maior rebanho de ovinos da região, pelo cadastramento, é de Gaúcha do Norte-MT, que conta com 4.858 animais. Já o município de Cocalinho-MT consta o maior rebanho de caprinos, 308 animais. Em Canarana-MT, constam registrados 3.541 ovinos, em Querência-MT, 1.358 e em Água Boa, 3.452 animais.

O produtor José Marsango, de Canarana, que cria carneiros há 30 anos e possui um rebanho de 130 cabeças das raças Santa Inês, Dorper e Ile de France, afirma que além da produção para o consumo familiar, também realiza a comercialização de alguns animais. Contudo, o produtor, que já chegou a ter 600 carneiros, salienta que a dificuldade na região é que “a criação de forma comercial, fica difícil de vender, porque tem muito criador pequeno que faz trocas com os supermercados”, o que dificulta a venda constante para esses estabelecimentos comerciais.

O produtor ressalta também que no Médio Araguaia ainda não há o hábito do consumo pela carne, que enfraquece o mercado. A venda, portanto, é direta aos poucos consumidores locais. “A gente está na atividade e gosta. Vende diretamente para a população. Sempre conseguimos vender o que criamos”, afirma Marsango.

A criação de ovinos e caprinos pode se dar de modo apartado ou em consórcio com o gado. A alimentação é a pasto ou semi-confinada, com complementação nutricional. O Censo Agropecuário de 2018 calculou o rebanho de ovinos brasileiro em 2,8 milhões de animais. O Estado da Bahia é o maior produtor, seguido pelo Rio Grande do Sul.