Polícia Civil apreende mais de R$ 4,5 milhões em avião que fez pouso forçado

ALTA FLORESTA – A Polícia Civil de Alta Floresta apreendeu mais de R$ 4,5 milhões, em espécie, na tarde de domingo (30.06). A enorme quantia de dinheiro, R$ 4.679.750,00 (quatro milhões, seiscentos e setenta e nove mil e setecentos e cinquenta reais), estava na posse de um piloto italiano, que fez um pouso forçado em uma pista rural, na cidade, após pane denominada Flap, no avião Cessna 206T.

O dinheiro estava em seis mala, com o piloto que já tinha embarcado em uma táxi (Hillux), quando abordado pela Polícia Civil, que havia acionada para atender a ocorrência da queda de avião na localidade. O dinheiro estava dividido em seis malas e bolsas, colocadas na carroceria da caminhonete.

O piloto, que é italiano com residência de mais de 30 anos no Brasil, não soube, à princípio, explicar a origem do dinheiro, alegando posteriormente, na Delegacia, que a vultosa quantia era proveniente da venda de um avião em São Paulo, de sociedade com um parceiro de negócio.

O delegado de Alta Floresta, Vinicius Nazário, informou que a origem do dinheiro não foi comprovada e os valores depositados em uma conta da Justiça.

O avião saiu da cidade de Sorocaba (SP) com destino a Itaituba (SP). O plano de voo tinha previsão de duas paradas para abastecimento, uma em Jataí (GO) e outra em Alta Floresta. Em Jataí, segundo o piloto, percebeu que o avião estava com problemas, mas decidiu seguir a viagem.

Em Alta Floresta, necessitou fazer um pouso forçado na pista rural. O avião foi localizado no final da pista em uma área de pastagem. A aeronave estava aberta e sem nenhuma bagagem. Questionado, o piloto informou aos policiais que a bagagem estava na caminhonete, momento que foi descoberto o dinheiro.

A origem do dinheiro será investigada em inquérito policial. O piloto foi liberado, por não ter provas de ilícitos contra ele, neste momento. Em checagem não foram encontrados registros criminais contra o piloto. A investigação seguirá na linha de lavagem de dinheiro e ocultação de bens (dinheiro e valores).