Programa Agrosolidário realiza mais de 22 mil atendimentos em 2019

CUIABÁ – “Esse projeto é um presente de Deus para minha vida! Porque só quem passa por um tratamento oncológico sabe a dificuldade que é para se alimentar. Durante a quimioterapia eu tinha reações adversas, não conseguia me alimentar, mas com a bebida de soja consegui controlar minha imunidade que é tudo no processo de cura”. Essas são palavras da paciente Vânia Silvério de Souza, do Hospital de Câncer de Mato Grosso (Hcan), uma das entidades assistidas pelo Programa Agrosolidário da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), que em 2019 aumentou aproximadamente 83% na quantidade de pessoas atendidas em comparação a 2018. Só neste ano, foram mais de 22 mil atendimentos, em 89 instituições localizadas em 36 município.

O programa de responsabilidade social dos cerca de 6 mil produtores de soja e milho, associados a Aprosoja Mato Grosso, atua em três frentes: distribuição de bebida de soja em seus mais variados sabores, palestras com orientação nutricional para mães de baixa renda e ajuda financeira para incentivo ao esporte, cultura, cidadania e manutenção de entidades não governamentais.

A gerente administrativa da Aprosoja-MT, Gisele Lima, explica que a iniciativa vai muito além dos números. “Eu costumo dizer que o Agrosolidário é mais que um programa de responsabilidade social dos produtores rurais. Esse programa é um ato de amor, doação, carinho e solidariedade”, pontuou.

Por meio do Agrosolidário, os quase seis mil associados da Aprosoja-MT conseguem chegar aos quatro cantos do Estado colaborando com creches, Apaes, lares de idosos, centros de reabilitação, igrejas, escolas, hospitais, projetos esportivos, culturais, ente outros. Este ano um dos diferenciais foi a participação em eventos como o Pantanal Cozinha Brasil e a Semana do Deficiente no Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa (Cridac), em Cuiabá.

“São parcerias que mudam muitas vidas. E os recursos investidos em projetos sociais são importantes porque aumentam possibilidades para crianças carentes, de praticarem um esporte, aprenderem instrumento e ficarem fora da rua. É uma oportunidade de vida, e eu falo tanto de saúde quanto de oportunidade social”, enfatizou Gisele.

Já diretor administrativo da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber, destacou os principais avanços da ação que, no início de 2018, atendia 72 instituições e hoje trabalha com 89 instituições. “São 16 mil atendimentos diretos e outros 6.450 indiretos com a realização de eventos. Ajudamos tanto com a distribuição da bebida de soja, quanto com o aporte financeiro. Apoiamos projetos esportivos como Karatê, Vôlei Kids, e de incentivo à cultura como o Flauta Mágica. Portanto, a Aprosoja-MT tem dedicado grande parte de seus esforços e seus recursos ajudando a sociedade e promovendo trabalhos sociais”, enaltece.

Um dos maiores cases de sucesso do Agrosolidário é o Hospital de Câncer. Além de estar presente com trabalho social, como doação de bonecas para crianças e recursos financeiros para manutenção e reformas, também são entregues as bebidas de soja. Os pacientes em tratamento oncológico, crianças, adultos e idosos, ingerem o complemento alimentar inclusive via sonda. O que tem proporcionado a boa nutrição deles para continuarem os procedimentos como quimioterapia e radioterapia.

Para a presidente da Associação Mato-grossense dos Cegos (AMC), Kelli Cristina Ramos de Oliveira, o apoio financeiro do Agrosolidário que é destinado a manutenção da associação, significa muito. “Somos uma instituição filantrópica e sobrevivemos de doações. E temos nos mantido de portas abertas graças a essa ajuda da Aprosoja. Agradeço a todos os produtores em nome dos 540 associados que têm no instituto uma porta de integração com a sociedade”, agradeceu.

Na AMC, os cegos recebem vários serviços nas mais diversas áreas como educação, esporte, lazer, cultura e saúde. Das pessoas com deficiência que chegam lá para se cadastrar, 98% precisam passar por uma reabilitação e aprender a ser independente. “E muitos são extremamente carentes e por isso também participam de cursos profissionalizantes, como informática. O investimento na área do esporte já trouxe resultado: o goalball feminino ficou em 3º lugar e os meninos do Futsal em 4º lugar em nível de Brasil”, comemorou Keli.

Entre os 36 municípios atendidos pelo programa em 2019 estão Cuiabá, Várzea Grande, Alto Garças, Campo Novo do Parecis, Canarana, Cláudia, Confresa, Cocalinho, Ribeirão Cascalheira, Santa Rita do Trivelato e Vila Rica.

“Esse projeto significou para mim um afeto, um carinho muito bem-vindo num momento tão difícil que é passar por um tratamento oncológico, só tenho a agradecer”, finaliza Vânia Silvério de Souza.