Rede de Sementes do Xingu realiza os primeiros plantios na região

CANARANA – Para além de fornecer sementes nativas para os plantios, a Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) inicia a implantação de áreas de restauração florestal. O trabalho, antes realizado por parceiros, como o Instituto Socioambiental (ISA), passará a integrar a estratégia de ampliação da rede dentro da cadeia de restauração florestal.

O primeiro plantio foi realizado em uma propriedade rural do município de Rondonópolis (Mato Grosso). Na fazenda com cerca de 1500 hectares, onde a principal atividade é a pecuária, o técnico da ARSX, João Carlos Mendes Pereira, junto com engenheiro florestal Lucas Alencar da Silva Nogueira, da Geo Florestal MT, e o técnico Guilherme Pompiano, do ISA, fizeram o plantio da muvuca, técnica que utiliza um mix de sementes para reflorestar áreas degradadas. Foram utilizados ao todo 88 quilos de 67 espécies diferentes em um hectare da propriedade.

“Os técnicos da rede e o do ISA demonstraram total conhecimento do assunto, o que aumenta nossas expectativas de sucesso na área, além de aprofundar o nosso conhecimento sobre a muvuca”, explicou Lucas. “Em pouco mais de uma semana já foi possível observar o desenvolvimento das sementes de feijão (os adubos verdes) semeados juntamente com as nativas. O que a gente espera é que após esse processo possamos encontrar uma alta diversidade de espécies nativas, e que essa restauração consiga se aproximar da estrutura, diversidade, função ecológica e dinâmica do ecossistema que originalmente existia no local”, afirma Lucas.

O engenheiro teve contato com o trabalho da rede a partir da expedição realizada em 2018, no Mato Grosso, onde mais de 100 técnicos e pesquisadores puderam conhecer de perto o trabalho dos coletores e o plantio nas propriedades. “A ideia também é mostrar aos demais produtores rurais e profissionais das áreas afins que podem sim, confiar na técnica da muvuca”, indica.

“Para a rede, além de demonstrar a eficiência dessa técnica de restauração de baixo custo aos produtores e ser um novo caminho de entrada de recursos financeiros, é o início da abertura de um leque de possibilidades para trabalhar a muvuca também no âmbito interno da associação, por meio da formação de restauradores, de áreas implantadas nos grupos de coleta, entre outras”, explica João Carlos Mendes Pereira, técnico em restauração florestal da ARSX.

Para 2020, o objetivo é aproximar produtores rurais do trabalho da rede, apresentando a muvuca como possibilidade de solução para a adequação ambiental das propriedades por meio do diálogo e de experimentos. O primeiro passo para a isso é a participação na DINETEC, Dia de Negócios e Tecnologia, que acontecerá dos dias 15 a 17 de janeiro, em Canarana, no Mato Grosso. Além disso, a associação irá implementar 6,5 hectares de plantios de muvuca, em áreas localizadas em assentamentos rurais, terra indígena e uma área públicas municipais.